Leia sempre, a leitura transforma.

Leia sempre, a leitura transforma.



quinta-feira, 25 de maio de 2017

Uma Paixão Chamada Livros

Com uma fala assim denominada realizamos quarta e quinta-feira, dois encontros com turmas das séries finais do ensino fundamental da Escola Estadual Laerte Jobim que fizeram parte da programação da Semana Literária. Nesta fala conto aos estudantes o quanto a leitura fez a diferença na minha vida e na vida dos estudantes que passaram pela minha sala de aula, bem como os programas que desenvolvo com alunos do ensino médio do Instituto Estadual de Educação Salgado Filho.
É sempre um grande prazer falar sobre a importância da leitura e a diferença que ela pode proporcionar aos leitores. 
Gratidão à equipe organizadora e colegas pelo convite e aos estudantes pelo carinho e atenção.
Tive o privilégio de reencontrar minha amiga muito especial Fran acompanhada da professora Andria e assistir a contação de causos do João Antônio do autor homenageado Salvador Lamberti.










Aguardo os comentários dos estudantes neste post.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Por que ler ficção pode beneficiar sua carreira?

Época Negócios - 13/04/2017

Não é segredo e nem novidade que pessoas bem-sucedidas são ávidas leitoras. Ler ajuda a se manter conectado com as novas tendências e a aprender técnicas que podem ser usadas em sua carreira. Todo ano, Bill Gates e Warren Buffett publicam as listas dos melhores livros que leram nos últimos 12 meses – e as listas sempre estão cheias de títulos de não-ficção.

Mas e a ficção, ela é puramente entretenimento? Michel Morvan, fundador e CEO da empresa de tecnologia CoSMo, lê alguns capítulos de um romance policial toda noite e diz que não é apenas por diversão. À Fast company, ele disse que “para tocar um negócio, você precisa estar profundamente envolvido em todos os detalhes, desde a estratégia, produto e contratações. Mergulhar em uma história, identificando os personagens e tentando resolver os mistérios, tem dois efeitos em mim. Em primeiro lugar, é uma forma eficiente de me desconectar dos problemas que enfrento no trabalho. Além disso, imediatamente libera minha criatividade, minha mente não tem limites enquanto estou lendo, e não deveria ter enquanto estou conduzindo meus negócios.”

De fato, pesquisas mostram que ler ficção pode ajudar a aumentar habilidades que são tão importantes para o trabalho quanto conhecimentos técnicos que você adquire lendo não-ficção. Veja cinco maneiras como ler romances mexe com seu cérebro.

1. Melhor raciocínio
Ler ficção pode desencadear insights que podem ajudar o trabalho além da lógica, diz Michael Benveniste, professor de inglês na University of Puget Sound. Em situações que podem estar impregnadas com emoções ou experiências passadas, ler pode ajudar a cultivar outro tipo de raciocínio. “A ficção oferece um espaço para especular sobre o papel de valores difusos como crenças, normas e experiências em contextos sociais”, diz ele.

2. Maior entendimento de problemas complexos
Pessoas que leem ficção ampliam seu entendimento sobre os outros, de acordo com um estudo da Universidade de Toronto. “Esse efeito se deve em parte ao processo de engajamento nas histórias, que incluem fazer inferências e se envolver emocionalmente, e parte aos elementos da ficção, que incluem personagens complexos e circunstâncias que talvez não encontremos no dia a dia”, escreveu Keith Oatley, professor de psicologia cognitiva da Universidade de Toronto.

Oatley compara a ficção a simulações de computador para seu cérebro. “Assim como simulações podem nos ajudar a lidar com problemas complexos como pilotar um avião ou prever o tempo, os romances e histórias podem nos ajudar a entender as complexidades da vida em sociedade”, disse ele ao The New York Times.

3. Empatia
Imaginar a situação pela que passa um personagem pode fazer de você alguém mais empático em relação às pessoas na vida real. Isso acontece porque, quando você lê uma história, se conecta com experiências pessoais, de acordo com uma pesquisa realizada por Raymond Mar, psicólogo da Universidade de York.

Em um discurso durante a convenção anual da Associação Americana de Psicólogos, Mar disse que nós temos pensamentos e emoções que são consistentes com uma narrativa. Ao refletir sobre interações sociais passadas ou imaginar interações futuras, podemos ter algum insight sobre algo que aconteceu no passado que se relacione com um personagem em uma história.

“As experiências que tivemos em nossas vidas moldam nosso entendimento sobre o mundo, e imaginar experiências por meio de histórias fictícias provavelmente nos muda também”, afirmou. “Ainda que a ficção seja fabricada, ela pode comunicar verdades sobre a psicologia humana e sobre as relações humanas.”

4. Alívio do estresse
Ler um romance é um método mais eficaz de aliviar o estresse do que ouvir música, caminhar ou tomar uma xícara de chá, de acordo com um estudo da Universidade de Sussex. Ler reduz o estresse em 68%, de acordo com o neuropsicólogo cognitivo David Lewis. Apenas seis minutos de leitura diminuía o ritmo cardíaco e reduzia a tensão muscular das pessoas que participaram do estudo.

“Perder a noção do tempo ao ler um livro é a melhor forma de relaxar”, disse Lewis em uma entrevista ao Telegraph. “Não importa qual tipo de livro você lê, ao se envolver na narrativa, você pode escapar das preocupações e do estresse do dia a dia e passar um tempo explorando a imaginação do autor. É mais do que uma simples distração.”

5. Modelos fortes

Livros de ficção costumam ter personagens cujos traços são descritos em detalhes. Juliette Wells, professora da Goucher College, dá aula sobre ficção do século XIX e diz que ela consegue se aproveitar da força dos personagens de romances de Jane Austen.

“Muitas dessas dinâmicas mapeiam de forma útil o mundo do trabalho”, diz ela. “Às vezes me vejo silenciosamente citando Elizabeth Bennet, de Orgulho e Preconceito, quando ela diz: minha coragem aumenta sempre que tentam me intimidar.”

Fonte: Blog do Galeno

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Volta para a Biblioteca



Campanha entre os alunos do IEE Salgado Filho


Nossa biblioteca precisa de livros para que os leitores continuem construindo o hábito de leitura.
Durante o ano letivo muitos estudantes retiram livros e acabam esquecendo de devolvê-los. 
Esta campanha destina-se a trazer de volta os livros para a biblioteca e ainda arrecadar doações.
Aguardamos doações e retorno dos livros na escola!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

A Experiência do uso do Microfone

No dia 15 de maio de 2017 um terço de cada turma foi desafiada a apresentar suas leituras utilizando a mídia microfone. Os comentários estão postados no post anterior.
Seguem aqui as imagens.



 



 



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Experiência - Microfone

Apresentação do Livro utilizando o microfone - 2016

É raro conhecer alguém que goste de utilizar essa ferramenta. De modo geral a sensação de falar utilizando o microfone é de desconforto.

As pessoas afirmam que a voz sai distorcida, não gostam da própria expressão verbal, o microfone atrapalha, e vai por ai. Diversos são os diagnósticos contrários ao temido microfone.
Quando surge uma oportunidade para falar em público é um momento importante que deve ser aproveitado.

Não conhecendo o microfone temos medo dele, conhecendo-o vamos descobrir que na verdade ele é um forte aliado que otimiza nossos potenciais de comunicação. (http://institutooratoriaemocional.blogspot.com/p/microfone-cobra-ou-espada.html)


Realizamos um trabalho com os alunos do ensino médio que foi um sucesso, conforme comentários postados desde 2011.

A cada ano que realizamos esta atividade nos convencemos de como ela pode ajudas os alunos a quebrarem barreiras e superarem expectativas. Realizaremos novamente este trabalho com as turmas de 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016.

Em 2017 comente qual foi a sensação de apresentar o livro para os colegas e professora utilizando o microfone e como foi ouvi-los.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Pró-Livro lança plataforma que mapeia ações de incentivo à leitura Brasil afora

Leonardo Neto - PublishNews - 06/04/2017

Quando o Instituto Pró-Livro (IPL) entregou, no final do ano passado, a primeira edição do Prêmio IPL – Retratos da Leitura, Marcos Pereira, que preside a entidade até o começo de maio, anunciou a criação de uma plataforma que reunisse projetos de incentivo da leitura Brasil afora. Na manhã desta quinta-feira (6), Pereira esteve na Unibes Cultural, em São Paulo, para anunciar o lançamento da Plataforma Pró-Livro, um mapeamento de ações de fomento à leitura, que passará a servir de base para as edições futuras do prêmio.

“Existem projetos lindos e exitosos espalhados pelo Brasil, nossa intenção é dar visibilidade para que estes projetos possam conseguir recursos e se ampliarem”, explicou Zoara Failla, gerente executiva de projetos do IPL. “O objetivo da plataforma vai muito além da própria ferramenta. Temos a necessidade de transformá-la numa construção colaborativa. Ela só vai existir à medida em que ela for abraçada pelas pessoas que desenvolvem esses projetos que são tão bonitos e estão escondidos pelo Brasil. Nosso grande desafio será chegar até essas pessoas. Queremos que elas cadastrem seus projetos na plataforma ou teremos uma grande ferramenta digital vazia”, conclamou.

Para além de ser um depósito de projetos de incentivo à leitura, a plataforma quer possibilitar e o intercâmbio de informações entre os projetos cadastrados. “É importante essa troca de experiências. Nessas trocas, se constrói”, defendeu a gerente de projetos. Para isso, a plataforma criou um espaço para fóruns de discussões através do qual a curadora Heloisa Amaral vai propor temas para debates. Paralelo a isso, a plataforma sustenta ainda uma biblioteca colaborativa na qual o IPL quer reunir um acervo digital de estudos, teses, publicações e artigos sobre o assunto, alimentado pelos usuários e também pela curadoria do IPL. “A ideia é que a pessoa que acessar essa biblioteca tenha condições de buscar informações, estudos e experiências para embasar seu trabalho”, comentou Zoara. A plataforma traz ainda uma seção de notícias onde serão penduradas novidades sobre o IPL, sobre o prêmio e sobre outras inciativas na área de promoção de leitura, formação leitora e acesso ao livro.

Uma das principais funcionalidades do prêmio será a de servir como base de inscrições para o Prêmio IPL – Retratos da Leitura, que será entregue em novembro. Os projetos cadastrados e habilitados na plataforma poderão, em agosto, optar em participar do Prêmio. As diretrizes e orientações sobre o prêmio já estão definidas e podem ser acessadas na Plataforma. Como foi no ano passado, serão escolhidos projetos em quatro categorias: Empresas da cadeia produtiva do livro; Organizações Sociais, Mídia e Bibliotecas públicas e comunitárias. Na primeira etapa do julgamento, uma equipe de especialistas fará uma seleção de finalistas que serão submetidos à comissão de jurados que elegerá três vencedores em cada uma das quatro categorias.

O IPL terá troca de comando no dia 4 de maio, quando Marcos Pereira será substituído por Luís Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro, uma das mantenedoras do IPL ao lado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), comandado por Pereira, e pela Associação Brasileira de Editores de Livros (Abrelivros), presidida por Antonio Rios.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Quem lê livros é mais popular em aplicativos de namoro


Curiosa Mente


Um site de namoro descobriu quais são os tipos de leitura preferidas para tornar a pessoa mais atraente para potenciais parceiros. De acordo com o aplicativo eHarmony, as mulheres que listaram Jogos Vorazes como um de seus livros preferido tiveram maior popularidade. Já os homens que adicionaram os livros de negócios de Richard Branson aos favoritos também foram procurados mais vezes.

Os Homens que Não Amavam as Mulheres se mostrou como uma boa opção para os dois gêneros, mas ler qualquer coisa é algo positivo nessa área de conquista. A pesquisa realizada apontou que homens que adicionam leituras ao perfil recebem 19% mais mensagens, enquanto mulheres recebem 3% a mais.

Estudos já haviam mostrado anteriormente que pessoas que leem tem mais empatia, de acordo com o jornal britânico The Guardian. Uma pesquisa da Universidade de Toronto mostrou que leitores ávidos tiveram uma pontuação melhor no teste de empatia e no teste de leitura mental a partir dos olhos. No geral, acredita-se que ficção literária melhora a personalidade.

Uma análise da Reading Agency feita em 51 artigos e relatórios mostrou que leitura também melhora o relacionamento com os outros, reduz os sintomas de depressão e os riscos de demência, além de melhorar o bem-estar ao longo da vida.