Leia sempre, a leitura transforma.

Leia sempre, a leitura transforma.



quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Publicação de Relato





Trabalho de levantamento de dados de leituras realizadas pelos alunos do ensino médio do Instituto Estadual de Educação Salgado Filho - São Francisco de Assis - RS, nos anos de 2010 a 2013.


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

TIC na Educação

A presença das TIC é requerida na Escola Para potencializar o ensino e uma aprendizagem transformadores – conferir sentido ao uso das tecnologias na educação para a transformação da escola e para a construção de uma sociedade mais junta e democrática. (Paulo S. Garcia)
Links que utilizaremos na oficina na Formação Continuada - Mídias na Educação - das Escolas Estaduais José Bonifácio e Waldemar Borges de Alegrete:

 Domínio Público
 Banco Internacional de Objetos Educacionais



























segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Para os que mais leram...



mais livros...
Este ano para os dois maiores leitores de cada turma.

















Somando as páginas...                         


terça-feira, 17 de setembro de 2013

Dicionário online

Livros Online Grátis

Separamos uma lista com 162 livros online infanto juvenil grátis. Na literatura apreendemos o cotidiano, a vizinhança, o mundo. No texto literário os conhecimentos formais ganham vida e desenvolvemos a imaginação, a criatividade, a observação e a reflexão do que somos e do que buscamos. Com livros cuidadosamente selecionados, os alunos poderão conhecer João Guimarães Rosa, Mário de Andrade, Ariano Suassuna, Nelson Rodrigues, Rubem Fonseca, Antonio Callado, Maria Clara Machado, Sylvia Orthof, Ciça, Roger Mello, Laurentino Gomes, Rui de Oliveira, Antoine de Saint-Exupéry, Howard Pyle, Herman Melville, Khaled Hosseini, entre tantos outros nomes da boa literatura.



Fonte: Canal de Ensino

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Campanha


A CAMPANHA

 

EM MARÇO DE 2010, A SANÇÃO DA LEI 12.244/10 GARANTIU UM DIREITO INALIENÁVEL: ATÉ 2020 TODAS AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO PAÍS, PÚBLICAS E PRIVADAS, DEVERÃO TER BIBLIOTECA. SUA EFETIVIDADE, PORTANTO, TEM DE SER TRATADA COMO PRIORIDADE NACIONAL.
Há recursos públicos para a educação que podem garantir a criação e a manutenção de bibliotecas em escolas públicas. Portanto, a convicção de que, com a cooperação entre os diversos setores, a democratização do acesso às legislações e recursos existentes e o controle social pela população, será possível planejar caminhos que garantam a efetivação da lei e que assegurem, em 2020, que as metas estabelecidas em 2010 sejam cumpridas, motivou a coalizão, por iniciativa do Instituto Ecofuturo, de organizações que desenvolvem trabalho de referência nas áreas de educação, leitura e biblioteca:Academia Brasileira de Letras, Conselho Federal de Biblioteconomia, Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Instituto de Co-Responsabilidade pela Educação, Movimento por um Brasil Literário, Instituto Ayrton Senna, Instituto C&A, Rede Marista de Solidariedade e Todos pela Educação.

A CAMPANHA EU QUERO MINHA BIBLIOTECA TEM O OBJETIVO DE DIVULGAR AMPLAMENTE ESSAS INFORMAÇÕES AOS GESTORES PÚBLICOS, AOS CANDIDATOS ÀS ELEIÇÕES MUNICIPAIS, EM ESPECIAL, AOS DIRIGENTES DE ENSINO, AOS PROFESSORES, À SOCIEDADE CIVIL E AOS CIDADÃOS BRASILEIROS.

POR QUE TER UMA BIBLIOTECA EM ESCOLA
"Letramento em leitura é a compreensão, o uso e a reflexão sobre textos escritos para alcançar objetivos pessoais, desenvolver o conhecimento e potencial individuais e participar plenamente da vida em sociedade.”
Pisa.

Mobilize-se

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Formação Tablet Educacional no I.E.E. Salgado Filho


Dia 27 de agosto de 2013 aconteceu a Formação Tablet Educacional para professores do Ensino Médio Politécnico do I.E.E. Salgado Filho.

Novas tecnologias para estudarmos e aplicarmos na sala de aula.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Um livro por dia...

Norte-americano que leu 366 livro em 2012 ensina seu segredo


Jeff Ryan começo 2012 com resolução de ano novo comum a muita gente: ler mais. Mas a meta era um pouco mais ambiciona do que ler mais: era ler um livro por dia.
No site Slate, ele explica como começou (e terminou com sucesso) a experiência.
O que Ryan fez foi ler vários livros ao mesmo tempo (alguns demoravam mais de um dia, mas no fim somaram 366), misturar os formatos audiobooks, e-readers e impressos, e aproveitar diferentes momentos para a tarefa: a hora de dormir da filha, um dia tranquilo no trabalho, uma hora cuidando do jardim, viagens solitárias e momentos de deslocamento eram aproveitados ao máximo.
Assim, trabalhar período integral e ser um pai e marido participativo não o impediram de manter a prioridade.


366 Days, 366 Books

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Equipe Campeã

Parabéns Turma 203
Prof. Referência Denise Miletto
Gincana em Comemoração ao Dia do Estudante do IEE Salgado Filho

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Qualidade de Vida

Seminário Integrado do E. M. Politécnico

A Turma 202 do IEESF assistiu fala sobre Terapia Floral 



 Prof. Carmem Elisa e Terapeuta Floral Denise Miletto




terça-feira, 6 de agosto de 2013

segunda-feira, 29 de julho de 2013

VI Congresso Internacional de Itaqui






Práticas de Leitura 
Professoras; Celaine, Mariza e Denise
Inclusão
Professoras: Cleuza e Andria
Trocando experiências...



sábado, 29 de junho de 2013

Participando...

O seminário internacional “Concepções e Sentidos da Educação: pensamentos para uma nova pratica social cidadã”
18 e 19 de julho/2013,

IV Congresso Internacional de Itaqui
24 a 26 de julho/2013
 Painel: Práticas de Leituras e Produção Textual,

Formação Continuada de Professores em Cacequi e São Sepé
Julho/2013
e


Mais informações: http://coral.ufsm.br/eie2013/

sexta-feira, 21 de junho de 2013

O Mundo em Pessoa


Um site lançado no 125º aniversário de nascimento de Fernando Pessoa (1888-1935), no último dia 13, pretende descobrir quais são os versos do poeta português mais citados nas redes sociais.
Através da coleta de citações, visível na página "O Mundo em Pessoa", uma equipe procura mostrar quais são os versos "que mais inspiram os leitores de todo o mundo", informaram os idealizadores do estudo, a Universidade de Lisboa e o portal português sapo.pt. 

O site dá não apenas as referências aos textos assinados com o nome, mas também com os vários pseudônimos que Pessoa usou durante sua carreira - que, curiosamente, são os mais lembrados na internet.



Tenho em mim todos os sonhos do mundo! 
Fernando Pessoa

segunda-feira, 27 de maio de 2013

domingo, 31 de março de 2013

Volta ao Mundo em + de 80 Livros

Escolha seu destino, leia o livro e viaje por meio da literatura!

Volta ao mundo em + de 80 livros

Volta ao mundo em + de 80 livros

Tablet para os Professores


No Sistema Estadual de Educação do Rio Grande do Sul, os professores do Ensino Médio serão os primeiros que receberão Tablets. O Tablet, que é uma Tecnologia Móvel, estará com o professor e, esperamos que em breve, também com os alunos (Tablets ou Notebooks). Estando esta tecnologia, junto com o professor na sala de aula, ela poderá ser incluída nas atividades didáticas, sem depender de agendamentos e disponibilidade dos laboratórios de informática.
O Tablet conecta-se a redes sem fio (tecnologia WiFi), a televisores, monitores e projetores, ampliando as possibilidades de uso em sala de aula.

O que os professores farão com os Tablets? Destacamos algumas sugestões:
- Melhorar a Fluência Tecnológica dos Professores;
- Adquirir Cultura Digital;
- Conhecer e explorar Materiais Didáticos Digitais disponíveis na Internet;
- Utilizar os Recursos de Comunicação da Internet;
- Ter acesso rápido a Sites e Portais Educacionais, Institucionais e Publicações Científicas;
- Pesquisar;
- Realizar Planejamentos e registro das atividades didáticas;
- Organizar acervo de Materiais Didáticos Digitais de sua disciplina e área de atuação;
- Utilizar em sala de aula (acoplado ao Projetor Multimídia).


Como o Professor utilizará os Tablets? Algumas sugestões - Mara Denize Mazzardo 


terça-feira, 19 de março de 2013

Depois dos Quinze





Bruna Vieira começou a escrever porque levou um fora de um cara que jurava ser o seu primeiro e único amor. Seus escritos viraram livro e agora o blog é um lugar onde compartilha as coisas mais legais que vê por aí.


domingo, 17 de março de 2013

Livro Game


O Cortiço, Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas são clássicos que nos encantam. Mas, que tal interagir com os personagens, criar cenários e talvez até mudar o rumo dessas importantes histórias? 

Acesse o site "Livro e game": http://livroegame.com.br/, escolha umas das obras e navegue pelo mundo dos clássicos. 

Porque game também é cultura! ;)

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A "Casa da Leitura" na Era Digital





Um projeto conduzido pela UNESP junto a 400 estudantes do Ensino Médio em escolas estaduais do interior de São Paulo demonstrou que o uso de ferramentas tecnológicas em sala de aula aumenta em 32% o rendimento dos alunos em matemática e física. Resultados animadores, sem dúvida. Mas devemos observar que a metodologia tecnológica foi mais vantajosa em comparação com as aulas expositivas, consideradas as mais tradicionais na arte de lecionar. Portanto, a dúvida que se coloca: caso os professores tivessem recebido formação para outras metodologias, independentes de tecnologia, os resultados também não estariam à frente do modo expositivo de “ensinar”? Como isso não foi feito, não sabemos. Mas sabe-se que, no projeto em questão, o diferencial está na capacitação dos professores: mais do que disponibilizar novos equipamentos, a apresentação do conteúdo em contextos que fizessem sentido para os alunos é que parece ter sido o grande diferencial. Portanto, as tecnologias são sempre bem-vindas, mas não podem fazer milagres; é preciso um bom preparo pedagógico para utilizá-las.
Desse modo é que não tem sentido a discussão que opõe livros impressos e livros digitais. Ou, pior: se os livros de papel vão acabar. “Como formar leitores?” Segue sendo esta a pergunta que não cala, sempre urgente, sempre atual.
Enquanto alguns jornalistas noticiam que “Livrarias registram aumento na venda de e-books”, outros anunciam que “Megalivrarias crescem no Brasil, apesar da internet”. Sem falar nos que nos contam que “Microeditoras oxigenam mercado com livros de alta qualidade” e que os “[Livros] Artesanais aliam tradição e tecnologia para baixar preços”. E há ainda aquela longa discussão sobre o porquê de livros digitais não serem tão mais baratos do que os de papel, além dos embates entre editoras e bibliotecas sobre como estabelecer um sistema de empréstimos de e-books, respeitando-se os direitos autorais e interesses de mercado.
Em meio a tanto bafafá, se esquece do leitor. Voltemos a ele, então.Outro estudo, conduzido pela Universidade Johannes Gutenberg, na Alemanha, aponta que, em quase todas as pesquisas de opinião com jovens e idosos, o tradicional livro de papel aparece como predileto, à frente de leitores digitais e tablets. Mas, avaliando o movimento dos olhos e a atividade cerebral durante a leitura, os pesquisadores constataram que o esforço neural é significativamente menor em se tratando de livros digitais – ou seja, é mais trabalhoso e cansativo ler livros impressos.
Pois bem, e o que muda com tudo isso? Basicamente nada. Primeiro porque a pesquisa também demonstrou que nenhum dos participantes do estudo teve dificuldade para compreender o que leram, seja em e-reader, tablet ou livro tradicional. Além disso, uma vez sendo a leitura um ato cultural, outras coisas da maior importância estão implicadas no processo, para além das questões neurológicas – por exemplo, aspectos “sensuais” que levaram a maioria a preferir o velho formato, como a textura e o cheirinho das páginas impressas.
Seja neste ou naquele formato, livros continuam sendo objetos de se relacionar e, como é típico das relações, é bem-vinda a diversidade, onde coexistem diferentes formas. Tem gente que passa horas namorando online, enquanto outros, tais os amantes dos livros impressos, só sabem fazê-lo se puderem tocar e cheirar. É verdade: a metáfora não é das melhores, uma vez que só considera a relação entre leitor e objeto livro, e sabemos que a leitura prima por um tipo de relação ainda mais sofisticada: a relação dos leitores entre si, onde o livro, seja em que formato for, se torna o intermediário, pela qualidade do conteúdo que confere graça às trocas interpessoais. E aí retornamos ao ponto mais antigo e básico: o suporte da leitura pouco importa, depois que a roda já foi inventada – grupos de leitura, leitura pública, leitura em casa e leitura em bibliotecas continuam sendo fundamentais.
Sim, temos um bom exemplo para citar. Sabe como se chama um instituto em Madri com acervo 100% digital? Casa del Lector – “Casa do Leitor”, simples assim. E formar leitores é a principal atividade da casa. Segundo a reportagem de Priscila Guilayn veiculada no jornal O Globo do dia 2 de fevereiro: “[a Casa do Lector é] definida por quem trabalha em seus dez mil metros quadrados como um espaço vivo no qual o protagonista é seu frequentador, que pensa, lê, vê e escuta, mas também opina, fala. Ou balbucia e dá gritinhos, porque a instituição, inaugurada há dois meses em Madri, está projetada, inclusive, para pré-leitores, ou seja, crianças a partir dos nove meses de idade”. Como se vê, o espaço só não se chama simplesmente “biblioteca” porque se quer enfatizar a leitura desde o nome – e em um país em que a leitura não vai muito bem das pernas: 42% da população espanhola não se interessa por livros.
Para saber mais (e vale a pena saber) sobre essa iniciativa que, embora pareça apostar na substituição de livros impressos pelos digitais, foca sobretudo na oferta da leitura, clique aqui.

Para finalizar: na semana passada foi divulgada a lista dos vencedores do World Press Photo Contest 2013, que premia as mais expressivas imagens de fotojornalismo do mundo, em diferentes categorias. No quesito Assuntos Contemporâneos, venceu o estadunidense Micah Albert, que retratou uma catadora de lixo no Quênia, durante uma pausa do trabalho, lendo um livro encontrado no lixão. A imagem, bela e pungente, aí está para que não nos esqueçamos de que não podemos nos dar ao luxo de prescindir de qualquer tecnologia para que a leitura cumpra a sua função nos lugares mais improváveis.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Uma bela ideia



Que as férias dão aquela arejada nas ideias, nas relações, nos afetos e nas nossas formas de experimentar o mundo vocês já perceberam e nem é preciso falar. E que os livros também exercem essa função e que, portanto, são compatíveis com as férias e com qualquer momento da vida, já falamos em outros posts deste blog. Mas, tomados por essa dinâmica gostosa, uma hora a gente descobre que já leu tudo o que tinha na mala e que quase todos os livros que tem em casa também já foram devorados. Com sede de novas leituras, mas segurando firme para não gastar muito nessa época do ano em que a gente mais gasta, de repente constatamos: quem disse que novas leituras são sinônimos de livros novos? Bora trocar!

“Trocar” pode significar tanto trocar mesmo quanto emprestar: eu leio o seu, você lê o meu... O importante é fazer com que a leitura circule. Se estamos viajando, podemos voltar para casa plenos de livros novos, seja na cabeça, no coração ou na mala – e deixaremos para trás pessoas plenas da mesma experiência: plenas de encontros.

Passear em sebos também é uma boa ideia. Um colega aqui do Ecofuturo acaba de encontrar uma raridade de um escritor chileno em um sebo de uma cidade do Paraná. E o tesouro saiu por apenas um real!

Como os livros são objetos de relacionamento, trocá-los, retê-los por um instante, namorá-los, passá-los adiante, são movimentos da própria relação. Então, não precisa (não precisa mesmo) ser nada sistemático. Estar aberto para os encontros é o essencial. Livros gostam mesmo é de ir a passeio.

Tem gente que se encontra em Aracaju: http://migre.me/cJxKb

Tem gente se encontrando em Maceió: http://migre.me/cJxGo

Tem gente que ainda nem sabe, mas não vê a hora de encontrar você!


Podemos criar grupos de trocas por aqui!
 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013