Leia sempre, a leitura transforma.

Leia sempre, a leitura transforma.



terça-feira, 11 de setembro de 2018

A Aula Final

Inspirada no livro A Lição Final de Randy Pausch que faz uma palestra de despedida, imaginei como poderia fazer a última aula. Desde que li esta obra pensava como seria. E assim com a ajuda dos alunos formatei minha última aula no IEESF com as turmas de segundos anos do ensino médio no dia 11 de setembro de 2018. Eles fizeram muitos questionamentos sobre as profissões que exerço, sobre a minha pessoa além da escola. Uma a uma foram respondidas, foi uma experiência magnífica. 

Muitas vezes me questionei se estava fazendo bem meu trabalho, acredito que como educadores não podemos nos acomodar e precisamos estar sempre em busca de algo mais, de fazer a diferença na vida daqueles que passam pela nossa sala de aula. 
















Eis alguns questionamentos:

A Melhor experiência que viveu dando aula

Transformar os alunos em leitores apaixonados é uma das melhores experiências. Desenvolver o “Programa de Leitura: Uma Paixão Chamada livros” e utilizar diversas mídias (como o microfone, o blog, o jornal) ficou na lembrança de inúmeros alunos e na minha ficará também.

Tenho certeza que a Literatura ajudou muito fazendo com que alunos descobrissem seus talentos e muitos acabaram escolhendo Letras, jornalismo, comunicação e hoje são pessoas que se destacam.

A surpresa que as turmas e colegas fizeram do dia 21 de agosto deste ano, um mês antes de encerrar minhas atividades, surpresa mesmo, acredito que isto marcará para sempre.

Momento importante é ter o reconhecimento por seus alunos e ex-alunos o que você passou em sala de aula, não falo aqui da disciplina, mas algo que fica da tua conduta ou daquilo que você sabe que fará a diferença na vida. Usei como bandeira a leitura e a escrita, enfatizei muito a leitura porque 
através dela encontrei muitas respostas para mim e a leitura me trouxe conhecimentos, consciência e muita responsabilidade por tudo aquilo que aprendi e que consegui passar para tantas pessoas, estudantes principalmente, adolescentes que me desafiaram ao longo destes anos todos. Muitos pais reclamam porque têm 1, 2 adolescentes em casa. Na escola temos muitos na mesma sala e isso é desafiador cada um com suas habilidades, características, problemas, desafios. Escolhi trabalhar com ensino médio em função de tudo isto, aprendi muito e me realizei como ser humano trabalhando com vocês. Fui muito feliz pelo trabalho que realizei. 

Em que momento você sentiu que tinha escolhido a profissão que você gosta?

No momento que você percebe que com seu trabalho você deixa marcas na vida dos alunos e faz com que eles percebam que podem também fazer sua parte neste mundo, serem pessoas do bem e contribuírem para um mundo melhor assim como eu.

O professor é aquele ser que por trás de uma disciplina faz com que outros ensinamentos sejam passados. O professor é alguém que está sempre sendo observado pelo grupo que está a sua frente. Seu comportamento, sua postura, ética, atitudes, ponderações tudo de alguma forma educa, ensina eis o grande mistério de ser professor.

Muitas atividades desenvolvidas na sala de aula fizeram com que vocês expressassem o mais íntimo de cada um, consegui assim trabalhar com vocês um pouco das terapias que conheci e trabalho no atendimento como terapeuta.

De onde veio a ideia de fazer aulas criativas e mais divertidas?

Eu acredito que a criatividade é o diferencial em qualquer profissão e sempre gostei de criar coisas novas como a literatura, as artes.

Desde o início da minha carreira proporcionei aulas diferentes e isso foi dando certo, tem aulas que a intuição veio na madrugada, fazia anotações, depois montava a aula, as formas de avaliação também e acredito que consegui encerrar esta etapa fazendo avaliações de formas diversificadas, embora neste ano não utilizei o blog e o programa de leitura como gostaria, mas fiz com que vocês escrevessem sobre diversas coisas.

Um dos meus sonhos é transformar o mundo num lugar cada vez melhor e isso só é possível através da mudança de cada um, ajudar as pessoas através de terapias e de palestras e escrever algo que possa ajudar as pessoas que leem .

A sensação que sinto após 35 anos é de missão cumprida, de ter feito a minha parte de ter ensinado e aprendido com vocês.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Viva sua Essência para Adolescentes

Iniciei a semana falando para uma turma muito especial.
Os primeiros anos do ensino médio do IEESF assistiram a palestra Viva sua Essência para adolescentes.
É muito gratificante poder mostrar este trabalho para adolescente e constatar o quanto uma fala como esta pode contribuir para que eles façam escolhas cada vez mais positivas e façam a diferença onde vivem começando por cada um.









sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Leitura é atividade cultural preferida dos brasileiros, diz pesquisa


Agência Estado - 24/07/2018

Uma nova pesquisa divulgada nesta terça-feira (24/7), mostra que a leitura é a atividade cultural preferida de brasileiros em 12 capitais, seguida de ir ao cinema, shows de música, festas populares e feiras de artesanato. Bibliotecas e espetáculos de danças ficam à frente de visitas a museus e teatros, e concertos de música erudita são a atividade menos frequentada na área.

A pesquisa Cultura nas Capitais, da JLeiva Cultura e Esporte e do Datafolha, entrevistou 10 mil pessoas nas 12 capitais mais populosas do Brasil, entre elas São Paulo, Rio, Brasília, Belo Horizonte e Salvador.

68% dos entrevistados disseram ter lido ao menos uma obra literária no último ano – ao mesmo tempo, 15% não tiveram acesso a livro algum, evidenciando a desigualdade no acesso a produtos culturais. Quando o assunto é usar o tempo livre para ler livros, Salvador é capital onde mais pessoas fazem isso, de acordo com o novo levantamento: 72%.

O estudo aponta que 64% dos entrevistados afirmaram ter ido ao cinema nos últimos 12 meses. Entre os paulistanos, o número é 67%. A cidade mais cinéfila entre as pesquisadas é Porto Alegre, onde 70% da população diz ter frequentado um cinema.

Outro dado que chama a atenção é que 72% da população afirma frequentar apenas atividades gratuitas, ou mais gratuitas do que pagas. Em São Paulo, o número é de 75%.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Conselheira vê Lei de estímulo à leitura como melhoria na Educação

InfoNet - 24/07/2018



O Estado e os municípios sergipanos devem observar as diretrizes previstas pela nova Lei nº 13.696, de 12 de julho de 2018, na qual o Governo Federal institui a “Política Nacional de Leitura e Escrita como estratégia permanente para promover o livro, a leitura, a escrita, a literatura e as bibliotecas de acesso público no Brasil”.

A observação é da conselheira Susana Azevedo, do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE), que vê a adoção dos dispositivos que integram a Lei como uma forma de melhorar o desempenho da Educação sergipana.

“É evidente que o acesso à internet e às redes sociais vêm distanciando as crianças e os jovens do contato com os livros, com a leitura e a escrita. Por outro lado, entendo que as redes de ensino não têm enfrentado a questão de maneira eficiente, resultando no visível fracasso educacional, como vêm demonstrando os resultados do Ideb nos últimos anos”, ressaltou a conselheira Susana Azevedo, no Pleno da última quinta-feira, 19.