Leia sempre, a leitura transforma.

Leia sempre, a leitura transforma.



quinta-feira, 4 de junho de 2020

Missão


Acredito que nossa missão começa se alinhar desde o momento do nascimento, mas é na fase adulta que se concretiza quando você busca por isso. Ser professora fazia parte da minha missão, mas não só isso. Foi o começo dela, muitos aprendizados. Trabalhar com adolescentes por 34 anos me ajudou entender o ser humano como um todo e quanto precisamos aprender sobre nós mesmos, autoconhecimento. O complemento deste trabalho veio com o estudo das terapias holísticas, uma fase de muito aprendizado e trabalho interno, muitas formações, cursos, atendimentos. Unindo o aprendizado com as pessoas que atendia surgiu o Projeto  Despertar Consciência – Qualidade de Vida que através de palestra começo a transmitir para um público maior minhas vivências e aprendizados não só na minha cidade, mas na região onde vivo.

É apaixonante quando você se alinha com sua missão de vida, tudo flui e você cresce como ser humano.

Conclui o trabalho frente aos estudantes em sala de aula, sigo com as terapias, palestras e com a escrita. Hoje desafiando o momento da pandemia, vencendo as barreiras do on-line. Fazem parte da minha missão transmitir e ensinar tudo aquilo que busquei e me ajudou nas diversas fases da minha vida. É claro que também faz parte da minha missão ser mãe, mulher, companheira, filha, amiga e além de tudo nunca esquecer minha criança que carrego sempre comigo.

Sempre vale lembrar que ser feliz faz parte da missão.

Sou feliz porque estou alinhada com tudo isso. Continuo firme no propósito de cumprir minha missão. Hoje a escrita é um deles.

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Amizades que vão e vêm











Amizades que vão e vêm, amizades que vão e ficam

Assim vamos construindo nossas relações com estes que chegam até nós, conquistam nossos corações e transformam estes laços em algo que acrescentará em nossas vidas.

Caso faça uma reprise de quantas pessoas passaram por sua vida, quantos ficaram como amigos e que mesmo não estando perto fazem parte desta teia que um dia se formou. Ficamos ligados por fios invisíveis, lembramos sempre com carinho estes que conquistaram nossa confiança, nossos corações. Não há distância para uma grande amizade que foi construída não importa a época da vida, ela é e será sempre uma amizade, mesmo que você deixe de conviver por um tempo, mesmo que você não fale com muita frequência.

Quando nos encontramos revivemos tudo, vem as lembranças daqueles laços construídos, é como se esticássemos os fios, lembrando que eles nunca deixaram de existir.

Passa um filme de cada amigo que conquistei em todas as fases da minha vida e lembrando-me de cada um, sei que posso enviar meu amor, boas energias mesmo estando distantes.

Agradeço a cada amigo que faz parte da minha vida, pois vocês acrescentaram e acrescentam muito. Sei o quanto a conquista desta amizade faz a diferença. O quanto cresci com vocês, fazendo parte da minha vida. Honro e respeito cada um e sei o quanto vocês enriquecem o meu viver.

Agradeço por fazerem parte de tudo que sou. Amigos que vão e vêm, amigos que vão e ficam!

Amo vocês!











Sempre digo que o primeiro filho começa o ensinamento de ser mãe, vamos experienciando, testando, aprovando cada passo que damos em relação aos cuidados, educação, amorosidade. Vamos aprendendo juntos e crescendo como família. O primeiro filho chegou cinco anos depois do casamento, tudo planejado. Foram muitos aprendizados com o Rodolfo, era o segundo neto da minha família e o primeiro da família do Paulo. Recebeu o nome do meu avô paterno e foi muito cuidado por todos.

Quase quatro anos depois chega o Marcelo, acredito que ele encontrou uma brecha e escolheu o momento, nós um pouco mais experientes como pais facilitamos a vida dele. Tudo fica mais leve e não sufocamos tanto quanto o primeiro. É a chamada experiência que chega com o tempo, a vivência. Acredito que como pais, conduzimos bem o processo de educar estes filhos.

Quando achávamos que a família assim ia ficar o Lucas nos surpreende com sua chegada, dez anos depois do Marcelo, começar de novo agora com novas experiências, mas com muita maturidade. Foi uma acolhida muito especial para este ser também especial que escolheu a mim e a nossa família. Um cromossomo a mais, chamado de cromossomo do amor nos trouxe tantos emoções e vivências em oito anos e meio que vai além do que uma mãe pode viver num período tão curto, mas suficiente para deixar seu legado para todos que conviveram com ele. Assim tornei-me mãe de três meninos que preenchem meu coração com muito amor. Porque amor de mãe cresce cada dia dentro do peito. Amo vocês!

terça-feira, 2 de junho de 2020

Fase Adulta













E a fase adulta chegou com muitos sonhos que foram realizados um por um. Um deles era concluir a faculdade, depois construir nossa casa e casar e assim fizemos.

Trabalhei no projeto junto com o engenheiro, compramos o terreno com a ajuda dos meus pais. Iniciamos a obra com nossas economias. Conseguimos erguer paredes e colocar a laje. Para a conclusão da obra financiamos uma parte. Assim casamos com casa própria, sonhos realizados.

Projetamos quarto e cozinha, a casa estava um pouco oca de móveis, mas cheia de amor.   Aos poucos fomos preenchendo, completando o sonho, sonhando mais um pouco, vivendo esta nova etapa de nossas vidas depois de oito longos anos de namoro.

A vida adulta, o relacionamento é uma construção, precisa ser cuidado, alimentado, evoluir para sobreviver às intempéries da vida.

Eu acredito que estamos sempre nos construindo e nos melhorando, isto chama evolução, amadurecimento. O relacionamento precisa disso cada um dos pares também.

Eu e o Paulo nos construímos cada um a sua maneira, a seu tempo. Também é preciso respeitar o tempo de cada um. Entendo o quanto cada um de nós amadureceu dentro  do relacionamento para darmos o próximo passo acredito que um dos maiores. Depois de cinco anos de casados decidimos que a família iria crescer e assim aconteceu.

Como foi para você iniciar a fase adulta?

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Valeu o Esforço












E assim foi minha adolescência, sem maiores crises existenciais pelas quais inúmeros adolescentes passam. Passei a minha estudando, trabalhando, namorando, me divertindo. Bem ocupada, sem tempo para mimimi. Aprendendo muito, convivendo muito.

O namora seguiu firme, nunca brigamos de nos separar como alguns casais que iam e vinham. O final da adolescência nos levou para o próximo nível a fase adulta. Muitos sonhos, muitos desejos de realiza-los, assim fomos construindo o caminho para a nova fase.

Acredito que cada época precisa ser bem vivida e curtida. Fizemos isso a pesar de termos começado a trabalhar cedo tanto eu quanto o Paulo. Curtimos juntos muitos aniversários, carnavais, festinhas na casa dos amigos, boates e algumas viagens.

Nossos finais de semana quase sempre tinham programação, muitas vezes éramos os primeiros a vir embora, batia o cansaço da semana, pois tínhamos a rotina de trabalho.

Aprendemos muito um com o outro, a convivência com as famílias, com os grupos de amigos e com colegas de trabalho. Sabíamos o que queríamos e nos esforçamos para conquistar. É uma construção dia após dia, muito esforço, dedicação e cuidado para que tudo dê certo.

Valeu todo o esforço!

Passamos para a próxima fase!

Como foi para você passar para a próxima fase?

domingo, 31 de maio de 2020

A Escolha da Profissão











A escolha da profissão com 17 anos não foi nada fácil. Fiz meu primeiro vestibular para Engenharia Civil, influenciada pelo trabalho que desenvolvia no escritório de engenharia, às vezes pensava em Psicologia, mas na época só em Porto Alegre, fugia do Magistério, minha mãe era professora e eu achava que ela trabalhava demais. 

Alegrete foi a opção mais certeira podia estudar e continuar trabalhando para ajudar bancar meus estudos. Fiz vestibular para Administração, segunda opção Letras. Fiquei com a segunda opção e foi maravilhoso ter escolhido este curso. Ele me conduziu para o início da minha carreira como professora.

Com 18 anos estava na sala de aula. Na época voluntariei-me de outubro até o final do ano para um possível contrato no ano seguinte. Este saiu 10 dias depois. Trabalhar numa escola ajudou-me a exercitar o que aprendia na faculdade e com mais este salário pagava todas as minhas despesas faculdade, transporte, roupas. Continuava trabalhando no escritório pela manhã e na escola à tarde e faculdade à noite. Era intenso, mas quando jovens temos muito que aprender e muita energia também.

O Paulo também fazia faculdade, viajávamos juntos  80 km até a faculdade diariamente, uníamos o útil ao agradável e assim foi por quatro anos.

No ano que comecei a dar aulas minha mãe aposentou-se. Nesta época éramos três irmãos cursando faculdade. Meu irmão mais velho e minha irmã estavam em Santa Maria. Para meus pais era difícil e ao mesmo tempo gratificante.

Que história você escolheria para contar da sua adolescência?

sábado, 30 de maio de 2020

Hormônios em Ebulição

Adolescência chegando, hormônios em ebulição.

Fazia parte de um clube de serviço Interact Club e ali fiz muitas amizades. Trabalhar em rol da comunidade com campanhas que elaborávamos juntamente com o Rotary Club. E foi numa reunião festiva que conheci alguém muito especial que está comigo até hoje. O Interact faz parte da nossa história.

Era o ano que completaria 15 anos e estava apaixonada. Sabe quando você encontra a sua cara metade. Foi isso que aconteceu. Quando falei com meus pais eles disseram que eu era muito nova para namorar. Eu chorei muito e não desisti de convencê-los que era muito diferente, àquele sentimento. Começamos o namorar com a permissão deles.

Quando saíamos, estávamos sempre bem acompanhados, minha irmã, a irmão do Paulo e mais uma galera de amigos.

Neste mesmo ano comecei a trabalhar. Estudava de manhã e trabalhava de tarde num escritório de engenharia. Éramos cinco filhos, meu irmão mais velho já trabalhava e em seguida foi minha irmã que começou.

Com os primeiros salários minha mãe me levou nas lojas que ela tinha crediário e eu comecei desde aí pagar por parte das minhas despesas. Zelei sempre por este crédito e tudo o mais que meus pais me ensinaram quanto à honestidade, valores que ficam.

Estudar, trabalhar, namorar, servir à comunidade assim seguiram os dias. Foram tempos muito divertidos, sem computadores, sem Internet.

O que vem a lembrança da sua adolescência?