Leia sempre, a leitura transforma.

Leia sempre, a leitura transforma.



quinta-feira, 4 de junho de 2020

Missão


Acredito que nossa missão começa se alinhar desde o momento do nascimento, mas é na fase adulta que se concretiza quando você busca por isso. Ser professora fazia parte da minha missão, mas não só isso. Foi o começo dela, muitos aprendizados. Trabalhar com adolescentes por 34 anos me ajudou entender o ser humano como um todo e quanto precisamos aprender sobre nós mesmos, autoconhecimento. O complemento deste trabalho veio com o estudo das terapias holísticas, uma fase de muito aprendizado e trabalho interno, muitas formações, cursos, atendimentos. Unindo o aprendizado com as pessoas que atendia surgiu o Projeto  Despertar Consciência – Qualidade de Vida que através de palestra começo a transmitir para um público maior minhas vivências e aprendizados não só na minha cidade, mas na região onde vivo.

É apaixonante quando você se alinha com sua missão de vida, tudo flui e você cresce como ser humano.

Conclui o trabalho frente aos estudantes em sala de aula, sigo com as terapias, palestras e com a escrita. Hoje desafiando o momento da pandemia, vencendo as barreiras do on-line. Fazem parte da minha missão transmitir e ensinar tudo aquilo que busquei e me ajudou nas diversas fases da minha vida. É claro que também faz parte da minha missão ser mãe, mulher, companheira, filha, amiga e além de tudo nunca esquecer minha criança que carrego sempre comigo.

Sempre vale lembrar que ser feliz faz parte da missão.

Sou feliz porque estou alinhada com tudo isso. Continuo firme no propósito de cumprir minha missão. Hoje a escrita é um deles.

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Amizades que vão e vêm











Amizades que vão e vêm, amizades que vão e ficam

Assim vamos construindo nossas relações com estes que chegam até nós, conquistam nossos corações e transformam estes laços em algo que acrescentará em nossas vidas.

Caso faça uma reprise de quantas pessoas passaram por sua vida, quantos ficaram como amigos e que mesmo não estando perto fazem parte desta teia que um dia se formou. Ficamos ligados por fios invisíveis, lembramos sempre com carinho estes que conquistaram nossa confiança, nossos corações. Não há distância para uma grande amizade que foi construída não importa a época da vida, ela é e será sempre uma amizade, mesmo que você deixe de conviver por um tempo, mesmo que você não fale com muita frequência.

Quando nos encontramos revivemos tudo, vem as lembranças daqueles laços construídos, é como se esticássemos os fios, lembrando que eles nunca deixaram de existir.

Passa um filme de cada amigo que conquistei em todas as fases da minha vida e lembrando-me de cada um, sei que posso enviar meu amor, boas energias mesmo estando distantes.

Agradeço a cada amigo que faz parte da minha vida, pois vocês acrescentaram e acrescentam muito. Sei o quanto a conquista desta amizade faz a diferença. O quanto cresci com vocês, fazendo parte da minha vida. Honro e respeito cada um e sei o quanto vocês enriquecem o meu viver.

Agradeço por fazerem parte de tudo que sou. Amigos que vão e vêm, amigos que vão e ficam!

Amo vocês!











Sempre digo que o primeiro filho começa o ensinamento de ser mãe, vamos experienciando, testando, aprovando cada passo que damos em relação aos cuidados, educação, amorosidade. Vamos aprendendo juntos e crescendo como família. O primeiro filho chegou cinco anos depois do casamento, tudo planejado. Foram muitos aprendizados com o Rodolfo, era o segundo neto da minha família e o primeiro da família do Paulo. Recebeu o nome do meu avô paterno e foi muito cuidado por todos.

Quase quatro anos depois chega o Marcelo, acredito que ele encontrou uma brecha e escolheu o momento, nós um pouco mais experientes como pais facilitamos a vida dele. Tudo fica mais leve e não sufocamos tanto quanto o primeiro. É a chamada experiência que chega com o tempo, a vivência. Acredito que como pais, conduzimos bem o processo de educar estes filhos.

Quando achávamos que a família assim ia ficar o Lucas nos surpreende com sua chegada, dez anos depois do Marcelo, começar de novo agora com novas experiências, mas com muita maturidade. Foi uma acolhida muito especial para este ser também especial que escolheu a mim e a nossa família. Um cromossomo a mais, chamado de cromossomo do amor nos trouxe tantos emoções e vivências em oito anos e meio que vai além do que uma mãe pode viver num período tão curto, mas suficiente para deixar seu legado para todos que conviveram com ele. Assim tornei-me mãe de três meninos que preenchem meu coração com muito amor. Porque amor de mãe cresce cada dia dentro do peito. Amo vocês!

terça-feira, 2 de junho de 2020

Fase Adulta













E a fase adulta chegou com muitos sonhos que foram realizados um por um. Um deles era concluir a faculdade, depois construir nossa casa e casar e assim fizemos.

Trabalhei no projeto junto com o engenheiro, compramos o terreno com a ajuda dos meus pais. Iniciamos a obra com nossas economias. Conseguimos erguer paredes e colocar a laje. Para a conclusão da obra financiamos uma parte. Assim casamos com casa própria, sonhos realizados.

Projetamos quarto e cozinha, a casa estava um pouco oca de móveis, mas cheia de amor.   Aos poucos fomos preenchendo, completando o sonho, sonhando mais um pouco, vivendo esta nova etapa de nossas vidas depois de oito longos anos de namoro.

A vida adulta, o relacionamento é uma construção, precisa ser cuidado, alimentado, evoluir para sobreviver às intempéries da vida.

Eu acredito que estamos sempre nos construindo e nos melhorando, isto chama evolução, amadurecimento. O relacionamento precisa disso cada um dos pares também.

Eu e o Paulo nos construímos cada um a sua maneira, a seu tempo. Também é preciso respeitar o tempo de cada um. Entendo o quanto cada um de nós amadureceu dentro  do relacionamento para darmos o próximo passo acredito que um dos maiores. Depois de cinco anos de casados decidimos que a família iria crescer e assim aconteceu.

Como foi para você iniciar a fase adulta?

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Valeu o Esforço












E assim foi minha adolescência, sem maiores crises existenciais pelas quais inúmeros adolescentes passam. Passei a minha estudando, trabalhando, namorando, me divertindo. Bem ocupada, sem tempo para mimimi. Aprendendo muito, convivendo muito.

O namora seguiu firme, nunca brigamos de nos separar como alguns casais que iam e vinham. O final da adolescência nos levou para o próximo nível a fase adulta. Muitos sonhos, muitos desejos de realiza-los, assim fomos construindo o caminho para a nova fase.

Acredito que cada época precisa ser bem vivida e curtida. Fizemos isso a pesar de termos começado a trabalhar cedo tanto eu quanto o Paulo. Curtimos juntos muitos aniversários, carnavais, festinhas na casa dos amigos, boates e algumas viagens.

Nossos finais de semana quase sempre tinham programação, muitas vezes éramos os primeiros a vir embora, batia o cansaço da semana, pois tínhamos a rotina de trabalho.

Aprendemos muito um com o outro, a convivência com as famílias, com os grupos de amigos e com colegas de trabalho. Sabíamos o que queríamos e nos esforçamos para conquistar. É uma construção dia após dia, muito esforço, dedicação e cuidado para que tudo dê certo.

Valeu todo o esforço!

Passamos para a próxima fase!

Como foi para você passar para a próxima fase?

domingo, 31 de maio de 2020

A Escolha da Profissão











A escolha da profissão com 17 anos não foi nada fácil. Fiz meu primeiro vestibular para Engenharia Civil, influenciada pelo trabalho que desenvolvia no escritório de engenharia, às vezes pensava em Psicologia, mas na época só em Porto Alegre, fugia do Magistério, minha mãe era professora e eu achava que ela trabalhava demais. 

Alegrete foi a opção mais certeira podia estudar e continuar trabalhando para ajudar bancar meus estudos. Fiz vestibular para Administração, segunda opção Letras. Fiquei com a segunda opção e foi maravilhoso ter escolhido este curso. Ele me conduziu para o início da minha carreira como professora.

Com 18 anos estava na sala de aula. Na época voluntariei-me de outubro até o final do ano para um possível contrato no ano seguinte. Este saiu 10 dias depois. Trabalhar numa escola ajudou-me a exercitar o que aprendia na faculdade e com mais este salário pagava todas as minhas despesas faculdade, transporte, roupas. Continuava trabalhando no escritório pela manhã e na escola à tarde e faculdade à noite. Era intenso, mas quando jovens temos muito que aprender e muita energia também.

O Paulo também fazia faculdade, viajávamos juntos  80 km até a faculdade diariamente, uníamos o útil ao agradável e assim foi por quatro anos.

No ano que comecei a dar aulas minha mãe aposentou-se. Nesta época éramos três irmãos cursando faculdade. Meu irmão mais velho e minha irmã estavam em Santa Maria. Para meus pais era difícil e ao mesmo tempo gratificante.

Que história você escolheria para contar da sua adolescência?

sábado, 30 de maio de 2020

Hormônios em Ebulição

Adolescência chegando, hormônios em ebulição.

Fazia parte de um clube de serviço Interact Club e ali fiz muitas amizades. Trabalhar em rol da comunidade com campanhas que elaborávamos juntamente com o Rotary Club. E foi numa reunião festiva que conheci alguém muito especial que está comigo até hoje. O Interact faz parte da nossa história.

Era o ano que completaria 15 anos e estava apaixonada. Sabe quando você encontra a sua cara metade. Foi isso que aconteceu. Quando falei com meus pais eles disseram que eu era muito nova para namorar. Eu chorei muito e não desisti de convencê-los que era muito diferente, àquele sentimento. Começamos o namorar com a permissão deles.

Quando saíamos, estávamos sempre bem acompanhados, minha irmã, a irmão do Paulo e mais uma galera de amigos.

Neste mesmo ano comecei a trabalhar. Estudava de manhã e trabalhava de tarde num escritório de engenharia. Éramos cinco filhos, meu irmão mais velho já trabalhava e em seguida foi minha irmã que começou.

Com os primeiros salários minha mãe me levou nas lojas que ela tinha crediário e eu comecei desde aí pagar por parte das minhas despesas. Zelei sempre por este crédito e tudo o mais que meus pais me ensinaram quanto à honestidade, valores que ficam.

Estudar, trabalhar, namorar, servir à comunidade assim seguiram os dias. Foram tempos muito divertidos, sem computadores, sem Internet.

O que vem a lembrança da sua adolescência?

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Adolescência

Com 10 anos estava morando em São Francisco de Assis onde estou até hoje. Foi aqui que vivi a segunda e a terceira fase que conto nestas pequenas histórias. Estas quatro histórias fazem parte da minha adolescência. Difícil é escolher entre elas, mas vamos lá.

A escola nos proporciona fazer novas amizades e assim construí meu novo círculo com hábitos e costumes diferentes do que eu trazia. Sempre aprendemos coisas novas quando acontecem mudanças. Sempre me interessei por coisas que envolvessem o criar e fiz curso de pintura em tecido e aprendi tricô com uma tia muito querida que está hoje com 99 anos. Aprendi muito no convívio com ela. era uma professora exigente e eu uma aluna dedicada que aprendeu a fazer pontos bem difíceis e trabalhosos de tricô. Isto permitiu eu confeccionar blusões para mim, para a família e ainda a ganhar um dinheirinho, alastrei as confecções para outras pessoas. Meu recorde foi fazer um blusão adulto em uma semana. Tudo isso era conciliado com a escola.

No turno oposto estava aprendendo ou fazendo algo diferente. Foi um tempo de muitos aprendizados, não só no aspecto de fazer algo, mas também no aspecto emocional.

Aprendíamos uns com os outros, observando, vivendo e lendo. Lembro de quanto os livros desde esta época me ajudaram. Encontrava muitas respostas para coisas não faladas e não explicadas pelos pais. Principalmente sobre o corpo, sexualidade que era um tabu, falar sobre isso nem pensar. O livro ia me instruindo, fazendo eu me conhecer melhor.

E assim a adolescência ia acontecendo!

De que histórias você lembra nesta fase?

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Aventura nas Alturas

  

Quando penso em escolher o que escrever da minha infância são tantas cenas que passam como um filme. A escrita de hoje será uma aventura nas alturas, as maiores que consegui escalar com oito, nove anos. Acho que fazíamos competição de quem subia mais alto nas árvores que tinha em nosso quintal e na casa dos meus avós.

Estudávamos a sequência de galhos a subir, a grande dificuldade muitas vezes era descer, dava um frio na barriga. Eu adorava esta brincadeira e acredito me sentia nas nuvens, uma liberdade incrível e muitas vezes um refúgio.

Tinha uma bergamoteira que não era muito alta na casa da vovó e até brincávamos de casinha.

As árvores além de nos darem emoções proporcionavam a degustação de frutos saborosos, uníamos o útil ao agradável. As mais altas que subi foram um pé de caqui e uma ameixeira.

As pernas estavam sempre raladas ou roxas, mas nada além disso. O machucado mais feio foi descendo da ameixeira cravei um dente de rastelo que atravessou um chinelo, eu não conseguia subir sem chinelos, pois doíam muito meus pés. Foram muitos dias para curar o machucado, muito banho de água com sabão e álcool para não infeccionar. Era um dos recursos que mais usávamos. Imaginem 4 crianças fazendo este tipo de brincadeiras.

Mais uma vez a aventura fica na lembrança muito mais que os ralados e isso tudo nos impulsiona para a próxima fase a adolescência, que não vou passar neste lugar da infância. Mudamos para São Francisco de Assis quando eu tinha 10 anos.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Aventuras Escondidas

Quem nunca teve uma aventura que escondeu dos pais ou pelo menos a gente achava que eles nem desconfiavam. Era um tempo que tudo podia ser uma aventura porque assim a nossa imaginação tinha a permissão de realizar grandes aventuras.

Equilibrar-se poderia ser uma delas. Assim nós saíamos para brincar e íamos até um pontilham que estava sendo construído. Nós andávamos pelas vigas de uns 15 cm de largura desafiando equilíbrio, coragem e mais alguma coisa que poderiam prevalecer naquele momento, nos desafiávamos uns aos outros. Acredito que já estava no final da travessia quando me desequilibrei e caí de encontro às pedras ralando as duas pernas. Imagine o susto, o medo e ainda chegar em casa e esconder tudo isso. Não lembro quando a mãe descobriu, mas fiquei uma semana andando de calças para esconder os ralados. Essas aventuras não eram permitidas, mas como morávamos num lugar pequeno tínhamos a liberdade de ir e vir na casa dos avós e isto tudo ficava no caminho.

Talvez o que mais doía era ter que esconder os machucados, pois sabia que tinha infringido as regras e com certeza sobraria uma correção à altura.

Foram tempos incríveis de liberdade, criatividade, convivências com primos, amigos, tios, avós. Lembranças que guardamos, tempos que vivemos e construímos a base do que somos.

É sempre bom revisitar estas histórias da infância!

Comente o que esta história te levou revisitar.

terça-feira, 26 de maio de 2020

Passeios na Chuva

Guardo muitas lembranças boas da infância que neste momento passam como um filme. Não sei se naquele tempo eu era diferente das outras crianças, mas lá em casa era eu que tinha este gosto.

Quando começava a chover eu pegava o guarda-chuva e minhas botas de borracha e saia muito contente passear na chuva ao redor da minha casa e da casa dos meus avós que ficava ao lado da nossa casa.

Fazer estes passeios me alegrava. Dá para dizer que eu amava passear na chuva. Enquanto todos estavam dentro de casa, eu estava lá fora aproveitando a chuva.

Não lembro se os passeios na chuva deixaram de acontecer naquele dia, só sei que levei um grande susto. Em frente  a minha casa em Nova Esperança, até os 10 anos morei lá, quando ainda não era emancipada, tinha uma enorme araucária, as árvores atraem raios e naquele dia o raio caiu enquanto eu passava por ali. Minha sorte foi que a árvore atraiu o raio, comigo ficou o susto e com a certeza da suspensão daqueles passeios.

Hoje quando chove gosto de ficar olhando a chuva pela janela, faço passeios internos, fico comigo e admiro o quanto cresci desde aquela época.

As lembranças são maravilhosas, mas o melhor de tudo é sabermos o quanto crescemos e o quanto tudo isso foi importante para este crescimento. Eu tive uma infância feliz!

Que momento especial da sua infância este texto trouxe a tona?

Deixe seu comentário ou escreva no seu caderno/diário.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Brinquedo que não tive



Quem não tem uma história para contar sobre um brinquedo que não teve na infância?

Pois é, eu tenho. E adivinhem era uma boneca ou duas. Eu até gostava da minha boneca, mas minha amiga tinha uma que chamava Suzi, era uma boneca elegante, que mexia braços e pernas, tinha cabelos longos e um rosto bonito. Pedia nos natais e nada, sempre vinha uma daquelas de plástico que não mexiam as pernas, só os braços. Com o passar do tempo criaram uma que caminhava e adivinhe eu queria uma destas. Não tive uma nem outra, mas brinquei muito com as que meus pais podiam comprar e não faltaram brincadeiras criativas em minha infância. Tenho lembranças muito boas.

Brincávamos de criar peças de argila, de casinha e imitávamos com os primos os raros filmes que assistíamos, pois não havia cinema, nem TV. As noites de lua cheia de verão eram nossas preferidas para brincar de esconde-esconde. Em muitas noites, meu pai, embora cansado, brincava com os filhos. Lembro-me dele deitado e nós todos ao redor, pulando, brincando, puxando daqui, dali, pedindo cavalinho. Somos cinco irmãos, mas nesta época o caçula era bebê.

Mesmo não tendo as bonecas, minha infância foi maravilhosa. Tivemos dificuldades sim, mas acredito que isso nos faz fortes, nos fez crescer e entender que não precisávamos de coisas para ser feliz. A felicidade é algo que brota do nosso interior.

Qual história você tem para contar?


terça-feira, 5 de maio de 2020

sábado, 2 de maio de 2020

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Assim começamos...


A cada dia acrescente uma prática nova.
Permita-se...
A imagem pode conter: texto

Dia do Trabalho

Quantas mudanças atravessamos e quantas mais teremos que fazer para que nosso trabalho atinja o alinhamento com a nossa missão de vida. Que nestes tempos de quarentena possamos repensar e recriar nossas práticas, nosso trabalho e cumprir nossa missão. Parabéns a cada trabalhador, principalmente àqueles que não foi possível parar.


quarta-feira, 29 de abril de 2020

Criando

Os pássaros cantam nesta manhã, pois é de sua natureza cantar todas as manhãs. É da natureza do ser humano a felicidade e alegria.
Criando algo novo para contribuir com sua felicidade. Aguarde!

A imagem pode conter: céu, nuvem, árvore, atividades ao ar livre e natureza

terça-feira, 28 de abril de 2020

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Para Você





















Escrevi este último texto desta quarentena transformadora selecionando uma palavra chave, que estão em caixa alta, de cada um dos 39 textos anteriores e desejo a você:

Que o AMOR seja a energia presente na busca do DIVINO que você é. Envolva-se nesta ENERGIA do CORAÇÃO que é a FREQUÊNCIA mais alta que você pode ativar para que a SAÚDE faça parte do seu dia a dia.
Tome uma RESPIRAÇÃO PROFUNDA, exercite a PACIÊNCIA, fique em SILÊNCIO.
Ao UNIR FORÇAS saiba o quanto podemos fazer juntos e tenha GRATIDÃO, ESPERANÇA, ALEGRIA por este momento que fará a diferença neste Universo.
O EQUILÍBRIO será resultado de tudo que você tem buscado para crescer, ter EMPATIA e acessar a INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL.
O AUTOCONHECIMENTO trará CRESCIMENTO e este buscará cada vez mais a conquista do seu IDEAL e a ampliação da sua visão HOLÍSTICA.
Temos tanto a aprender com a DIVERSIDADE, com a conquista da nossa INDEPENDÊNCIA.
Acredito que encontraremos muitas respostas aos POR QUÊS e que a COLETIVIDADE precisa ser trabalhada em cada um com muita ESPONTANEIDADE, COMPAIXÃO e CONSCIÊNCIA.
Trabalhe o INTERNO, desenvolva o AMOR INCONDICIONAL, faça uso da ESCRITA TERAPÊUTICA para que cada dia você suba um degrau a mais na sua EVOLUÇÃO.
Lembre-se que a CENTELHA DIVINA sempre fez parte do ser, mas estamos esquecidos dela. Ela é a parte divina em nós.
A CRIAÇÃO, a criatividade faz parte da nossa essência use-a para trazer novas maneiras de ver e de viver a vida.
As TERAPIAS estão aqui para nos ajudar e trazer equilíbrio ao nosso todo: físico, mental, emocional e espiritual, busque-as para mudar a sua HISTÓRIA e levar todas estas novas informações para a sua REDE DA ANCESTRALIDADE.
A prática de ENVIAR AMOR trará o retorno de receber mais amor, pratique-a
Faça ESCOLHAS positivas, e saiba que em tudo há INFINITAS POSSIBILIDADES, inclusive para escrever um texto com estas palavras selecionadas. 
Lembre-se: VOCÊ é a pessoa mais importante da sua vida!
Desejo que VOCÊ seja muito feliz!
Gratidão, gratidão, muita gratidão!
Experimente escrever um texto na sua versão com as palavra em destaque.
Arrisque-se postar e faça uma marcação para que eu possa ver e divulgar.

domingo, 26 de abril de 2020

Há infinitas possibilidades..


























Nossa vida é um campo de infinitas possibilidades e você pode escolher ver tudo por este ângulo.
Quando nos fixamos na dualidade, certo ou errado, bom ou mau, luz ou sombra deixamos de viver as infinitas possibilidades.
É preciso sair deste mundo dual e experimentar este mundo mais amplo. O universo é assim e tudo que existe no macro, existe no micro.
Permitir-se viver no campo das infinitas possibilidades é você poder escolher entre uma variedade de opções. Você precisa estar aberto para isso ou vai seguir enxergando apenas duas opções?
É você que determina como quer que tudo aconteça. Você está no comando da sua vida e pode comandá-la com infinitas possibilidades.
Observe como você tem realizado suas tarefas diárias, como você tem resolvido suas pendências. Há muitos recursos que talvez sequer pensou.
Já é tempo de conhecer e utilizar estes recursos, estas possibilidades.
A criatividade é inerente ao ser humano, talvez esteja adormecida em você.
Sua vida pode estar carente de criatividade, mas ela existe bem aí dentro de você. Lembre sempre que para cada ação existe um infinito campo de possibilidade. Abra-se para isso, passe a enxergar sua vida desta forma.
Tudo pode acontecer, há infinitas possibilidades!

sábado, 25 de abril de 2020

Como você está se sentindo?
















Observe-se.
Hoje escrevo o 38º texto e talvez você tenha lido todos ou alguns. Esta sendo um tempo de muitas reflexões, mudanças, evolução para grande parte da humanidade. Para outra parte talvez seja só um tempo obscuro cheio de problemas sociais.
De que lado você está?
Como se sente com tudo isso?
Você conseguiu acessar seu precioso interior? Ou ficou preocupado com as demandas externas?
Você conseguiu silenciar?
Como está a qualidade do seu sono?
São inúmeras as possibilidades de respostas, mas saiba que todas elas dependem de você, do que você está sentindo, fazendo, pensando.
Quando consigo fazer do momento que estou vivendo o melhor, positivar meus pensamentos, sentir o que está acontecendo com o planeta e com a humanidade posso dizer que estou fazendo a minha parte.
Ainda há muita dor que foi causada pelo egoísmo, pela ganância tanto ao planeta quanto à humanidade sofrem. É preciso muita evolução para conquistarmos um tempo onde não haverá sofrimentos. É o sonho da Nova Terra, de novos tempos, de uma nova humanidade.
Você se sente parte de tudo isso?
Eu acredito que há infinitas possibilidades e que cada um pode escolher fazer parte ou não disso. Eu escolho estar e fazer parte da Nova Terra de frequências elevadas, eu escolho as infinitas possibilidades. 
E você?

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Enviar amor...

Denise Miletto
9 h · 


Não há distância para esta prática. Tudo está interligado, há uma única onda de energia. No momento que você emite a frequência do amor ela é direcionada, sentida. Comprovações científicas sobre isso foram registradas para aqueles que não acreditam que é possível. Tanto é possível que quando enviamos esta energia poderosa, eu diria a mais poderosa que temos, ondas são registradas saindo do campo energético do emissor e chegando ao campo energético do destinatário.
Imagine uma onda de amor saindo de você e tendo vários endereçamentos. Posso enviar amor para meus filhos, meus ente queridos, familiares, amigos, trabalhadores da saúde, dos serviços essenciais, pessoas que não têm condições dignas de alimentação, habitação, saúde.
O número pode ser infinito, o amor chegará, pois é uma energia que não mede esforços. Basta eu me conectar com o mais íntimo do meu ser, com a energia do amor e exprimir a vontade de enviá-la.
Mesmo estando afastados, distanciados pela quarentena pratique isto. Acredito que tudo que enviamos recebemos de volta (esta é outra lei) e podemos assim, cada vez mais e mais enviar e trabalhar dentro da energia do amor.
A humanidade precisa muito desta energia. Que possamos cada dia mais vibrar nesta frequência.
Eu sou amor, eu envio amor!

Foto: popularmente conhecida como estrela de natal do jardim da mãe.

#amor
#inteligenciaespiritual
#inteligenciaemocional